sexta-feira, março 11, 2005

J. B. Schneewind on the Importance of Context


Context is indeed vital if we are to be historically careful about the meanings of the assertions of past philosophers. For undergraduates, context has an additional kind of importance. Explaining the different sorts of practical problems in which philosophers hoped to make a difference helps students see that what they are reading was not intended to be of merely academic interest. Philosophy nowadays does not have a large appeal to the public, not even to the undergraduate public. If we are to make the history of moral philosophy significant now for students, we need to show them that it mattered in its own time for reasons that went beyond the classroom. What that suggests is that moral philosophy might be as important now as it was then.
(J. B. Schneewind, “Teaching the History of Moral Philosophy,” in Teaching New Histories of Philosophy, ed. J. B. Schneewind [Princeton: The University Center for Human Values, 2004], 177-96, at 191)
Retirado de: Anal Philosopher (só pelo nome vão lá todos... vale mesmo a pena! :)

4 comentários:

Clay disse...

Já que se interessa por filosofia, tenho uma questão à qual penso que gostaria de responder.

Espero por ela lá.

Deste seu leitor.

R.Dart disse...

Já passei por lá. Se for aquela pergunta que penso, para a próxima quero uma mais difícil, 'tá bem? :))

Clay disse...

Cara R.Dart.

Como é sagaz, deve ter percebido que a pergunta existencialista era secundária. O que relevou foi a publicidade da minha estreia aqui, na blogosfera. Pela subliminaridade do meu anterior comentário, peço desculpa.

Mas ainda assim, se eu respondesse ao meu post, diria que arriscava uma conversa com o dito senhor, não fosse eu ficar com consciência pesada, pensado que podia ter alterado alguma coisa, ainda por mais ínfima que fosse essa alteração.

Depois, o HR é apenas co-autor das Espantosas Aventuras. Já o Quarto é apenas dele e só dele. Não me senti com estofo para aventurar-me sozinho nestas andaças. Daí o ter convidado.
Atendendo que estamos próximos em relação a muitas coisas, e a outras nem tanto, para além da qualidade da escrita do HR, enfim... fui privilegiado em te-lo como co-autor.

POrtanto, cara R. Dart, não é só blogar, não senhora. Tenho de tirar tempo para navegar por outras aventuras, enventualmente deixar ácidos comentários em alguns blogues de qualidade duvidosa - que não é o seu, sublinhe-se -, e ter ainda tempo para cultivo do espírito.

Ainda assim, obrigado pela sua visita.

Um bom fim de semana.

PS: Prometo que para a próxima faço uma pergunta bem mais difícil. Gosta de Nieztsche?

R.Dart disse...

E faz muito bem que por estas andanças muito tempo se perde, nomeadamente em blogs de pura doxa sofista. Há que primariamente cultivar o espírito sim, desejo-lhe boas leituras :)

Gosto muito de Nietzsche sim senhor, apesar de ser um autor muitas vezes mal interpretado, tem uma mensagem fantástica na sua filosofia. Fora os extremismos, já se sabe.

Seja bem vindo então às andanças, conto já consigo para boas trocas de ideias.